sábado, 11 de setembro de 2010

PARTICIPE DO ATO DE NOMEAÇÃO DA PRAÇA FREI TITO- 14/09 (terça-feira), às 19hs na PUCC

Na próxima terça-feira (14/09) organizaremos um ato simbólico de nomeação da Praça Frei Tito. A atividade se iniciará às 19hs no pátio do CCHSA e seguirá em marcha até a antiga Praça Médici.

A data escolhida refere-se à data de nascimento de Frei Tito (14/09/1945), que compretaria 65 anos. Se a homenagem à ditadura (Praça Médici) tombou na data de sua morte (10/08), o dia 14/09 representará o nascimento de uma perspectiva democrática.
O objetivo do ato é aprofundar a discussão que já vem sendo travada, reforçando a necessidade de uma política reparatória não apenas na PUC-Campinas, mas frente a todos os resquícios da ditadura ainda presentes no nosso cotidiano. Internamente, os estudantes fortalecerão a luta pela democracia interna, inexistente desde os tempos de Médici.
CONTAMOS COM SUA PRESENÇA!!
O Campus I da PUC-Campinas situa-se na Rodovia D. Pedro I, km 136. O prédio do CCHSA fica ao lado da FAEFI, logo após o estacionamento central do Campus.
Dúvidas poderão ser sanadas através do e-mail foramedici@gmail.com ou pelo telefone (19) 93535299
PROGRAMAÇÃO
19hs- Apresentação da peça teatral "O prisioneiro e seu algoz- Frei Tito Vive!"- Cia. Estudantil
19hs20- Apresentação do Vídeo "Frei Tito"- Armazém Memória
19hs30-Falas e testemunhos
20hs- Marcha até até a antiga Praça Médici, onde se realizará a nomeação pública da Praça Frei Tito.
SUA PRESENÇA E APOIO É MUITO IMPORTANTE!

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Presença no Grito dos Excluídos 2010 - Praça Frei Tito Já!


Dia 07 de Setembro o movimento se fez presente entre as bandeiras do Grito dos Excluídos de Campinas. A foto publicada foi tirada pelo camarada João Zinclar, fotógrafo militante comprometido com a luta dos movimentos sociais.

Durante o ato, distribuimos diversos panfletos divulgando nossas reivindicações e conversando com diversos apoiadores.

A Praça Frei Tito já é muito esperada! Também pudera: a sociedade, junto aos mortos e desaparecidos políticos da Ditadura Militar, aguardam JUSTIÇA!

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Movimento faz intervenção no Dia do Soldado (25/08)


Nos dias 24 e 25 de agosto o movimento iniciado com a reivindicação da Praça Médici fez intervenções político-artísticas com alusão ao Dia do Soldado na cidade de Campinas.

Lembrando as violações praticadas durante a Ditadura Militar, o movimento manteve na pauta a necessidade de se efetivar a reparação histórica na PUC-Campinas, através da nomeação da Praça Frei Tito.

No Largo do Rosário (centro de Campinas) foi exposto, na manhã do dia 24, fotos de mortos e desaparecidos políticos da Ditadura Militar em meio às atividades organizadas pelo Exército, o que chamou a atenção da rádio Jovem Pan, que entrevistou os estudantes presentes no ato.
No período da noite foi encenada, na Faculdade de Direito da PUCC, uma peça sobre a tortura de Frei Tito. Dialogando com estudantes, professores e funcionários, a atividade envolveu a comunidade acadêmica na discussão da democracia interna na universidade, inexistente desde os tempos da Ditadura Militar.

Na manhã do dia 25, a mesma peça foi apresentada no Largo do Rosário. Nesta oportunidade, homenageamos os diversos brasileiros que tombaram contra a Ditadura Militar, encenando uma peça em que o Capitão Carlos Lamarca retorna ao mundo dos vivos e dialoga com os soldados, vigiado pelos inúmeros mortos e desaparecidos.

Fazendo uma ampla discussão com a população, divulgamos a luta empreendendida na PUC-Campinas e reforçamos a importância de um conhecimento amplo do período, defendendo a abertura dos arquivos da repressão e a responsabilização dos torturadores, gerenciadores e financiadores da Ditadura Militar.

Dentre as diversas pessoas que acompanharam a atividade, muitos testemunharam a lembrança que tinham da ditadura, período marcado pela violência e pela falta de liberdade.



Entre gritos de ordem e a citação dos nomes das diversas vítimas da ditadura, panfletamos nossa mensagem também entre os diversos soldados presentes na ocasião.

Realizando o debate público, que sempre foi o principal objetivo do movimento, mantemos acesa a reivindicação dos estudantes e das entidades que ainda aguardam uma iniciativa da PUC-Campinas.

A exceção brasileira no que tange à Justiça de Transição reforça a necessidade de uma abordagem global do problema, que deve necessariamente envolvolver todos os setores da sociedade.

O papel da universidade neste processo é fundamental. A participação da PUC-Campinas será extremamente importante no fortalecimento desta discussão. A nomeação da Praça Frei Tito reforçará a luta pela democratização, que deve vir acompanhada com a abertura institucional da Universidade, como a muito tempo defende o seu Movimento Estudantil.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

MANIFESTO "FREI TITO VIVE"!

FREI TITO VIVE!
JUSTIÇA, MEMÓRIA E VERDADE NA UNIVERSIDADE

Homenagens e menções à agentes e financiadores da Ditadura Militar não são, infelizmente, casos isolados. Diversos são os logradouros e prédios públicos e privados com nomeações autoritárias, cuja memória política e histórica é sistematicamente ofendida.

A não superação deste período conturbado e violento é fruto direto da falta de uma real Justiça de Transição, que desvele a Verdade, promova a Memória e efetive Reparações, tal como protagonizados em diversos países que conduziram uma transição democrática efetiva.

Resquício deste período e mais um símbolo da nossa peculiar distensão política, a PUC-Campinas, até dia 10 de agosto de 2010, possuía em seu Campus Universitário uma placa referente à “Praça Presidente General Emílio Garrastazu Médici”, oficial responsável pelo gerenciamento da Ditadura Militar em seu período mais conturbado e repressivo (1969-1974).
Demolida pela instituição na data em que, há 36 anos, Frei Tito se suicidara em razão da perseguição política a que fora submetido (10 de agosto de 1974), sua retirada foi motivada por uma discussão pública promovida pelos estudantes junto à diversas entidades e defensores de Direitos Humanos, que questionavam a permanência de uma homenagem a um ditador dentro de um espaço universitário.

A retirada de Médici foi um avanço considerável, que demonstra que a atual gestão não possui compromissos políticos com o antigo regime. Pesa, no entanto, que tardou 25 anos desde a redemocratização para que houvesse sido tomada tal decisão que, assevere-se, foi provocada por difundida denúncia dos estudantes e da sociedade civil, através do Grupo Tortura Nunca Mais-SP, Fórum de Ex-Presos Políticos, Núcleo de Preservação da Memória Política, CONDEPE e Fórum de Direitos Humanos de Campinas.

Apesar da clareza da crítica e a evidente necessidade de resposta, a justificativa pública da Universidade foi escandalosa: “A placa que faz referência ao ex-presidente da república, Emilio Garrastazu Médici, foi retirada do canteiro em que estava instalada, desde março de 1973. Na época, a área era ocupada por uma praça que foi transformada em estacionamento. A Universidade vem debatendo o assunto em diversas instâncias e optou pela retirada da placa, considerando que há muitos anos a praça não existe mais”.

Não expressando uma motivação política de reparação, vez que pautou-se apenas na “inexistência” de um espaço que pudesse caracterizar uma praça e que, portanto, não cabia mais a existência de um nome, a PUC-Campinas perdeu uma oportunidade gigantesca de dar um passo em direção ao futuro e romper definitivamente com o passado, reconhecendo o a incongruência de tal homenagem.

Permanecendo assim, a Universidade apenas protagonizou uma negação da história, cobrindo (literalmente) com grama toda uma responsabilidade política. A promoção do esquecimento é, de fato, um dos mecanismos ideológicos mais presentes na defesa do período e na impunidade da Ditadura, ainda tão presente nos dias atuais.

Diante disso, fundamental se torna a homenagem proposta a Frei Tito de Alencar Lima, que preencherá o espaço vazio anteriormente ocupado pelo General Médici, mantendo viva a chama da justiça e da memória através de uma reparação efetiva.

Espera-se, a partir disso, o apoio da Universidade no aprofundamento desta discussão, envolvendo os estudantes, as entidades, os apoiadores e toda a sociedade civil. Algo não visto, por exemplo, na reunião realizada dia 11/08 na antiga Praça Médici, em que seus participantes foram vigiados, fotografados e acompanhados por funcionários da universidade infiltrados entre os estudantes. Infelizmente, a presença da ditadura vai muito além de uma praça, e é necessário encarar isso de frente no prosseguimento desta discussão.

Assim, se existe uma política interna que pouco mudou desde o governo Médici, em que as principais decisões são tomadas por uma cúpula de indicados, com pouca participação da comunidade acadêmica e sem envolvimento desta na construção universitária, muitos outros generais deverão cair até que possamos superar de vez a ditadura na PUC-Campinas.

Afim de iniciar o trajeto deste caminho, além de efetivar a reparação reivindicada a Frei Tito, necessário se faz aprofundar a discussão sobre o tema da Justiça de Transição aliada a uma abordagem contemporânea do papel da Universidade neste processo. Discussão essa que deve envolver toda a comunidade acadêmica, em conjunto com a administração da PUC-Campinas.

Desta forma, repudiando a negação histórica que um gramado vazio propicia, esperamos o compromisso da Universidade na tarefa que a história atualmente lhe cobra. Pela memória, verdade e justiça, Praça Médici Nunca Mais!


ASSEMBLÉIA DE ESTUDANTES DA PUC-CAMPINAS

Estudantes e entidades se reunem dia 11/08 e são fiscalizados pela Universidade

No dia seguinte à retirada da placa se realizou uma reunião pública convocada pelos estudantes e pelas entidades para discutir os próximos passos do movimento. Em uma atitude característica de um regime de excessão, a PUCC coloca um funcionário infiltrado entre os participantes para filmar e fotografar a reunião.
Ao ser reconhecido, o funcionário evadiu-se do local rapidamente.

Apesar desta lastimável interferência, a reunião foi extremamente positiva, aprovando-se um manifesto que reforça a luta pela reparação politica com a nomeação da Praça Frei Tito e o protocolo de um documente com uma série de reivindicações à universidade.

A democracia interna, tão reivindicada pelos estudantes, se mostra a cada dia mais fundamental na PUC-Campinas.

Correio Popular: PUC retira placa que homenageia general

A medida atende, em parte, a uma reivindicação de movimentos sociais e do Centro Acadêmico XVI de Abril

12/08/2010 -Delma Medeiros - Agência Anhangüera de Notícias

A placa que dava o nome do ex-presidente da República general Emílio Garrastazu Médici a uma praça no campus 1 da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas) foi retirada do local na última terça-feira (10/08). A medida atende, em parte, a uma reivindicação de movimentos sociais e do Centro Acadêmico XVI de Abril, da Faculdade de Direito, que pede a mudança no nome para Frei Tito de Alencar Lima, vítima do regime militar.

O responsável pela Coordenadoria Geral de Atenção à Comunidade Interna (Caci), José Donizeti de Souza, explicou que a antiga praça se transformou em estacionamento e, portanto, não é mais identificada por nome.

A mobilização pela mudança integra o movimento pela reversão de homenagens a pessoas que participaram direta ou indiretamente de ações de tortura. O mesmo movimento provocou a mudança do nome da Rodovia SP-332 de General Milton Tavares de Souza para Professor Zeferino Vaz.

Para os integrantes do movimento, a simples retirada da placa não é o suficiente. “A placa foi retirada sem qualquer diálogo e não cumpre o papel de reparação histórica. Queremos a homenagem ao Frei Tito”, afirmou Filipe Jordão Monteiro, do centro acadêmico.

Souza disse que a mobilização começou no início das férias de julho e a universidade só conseguiu se reunir com os estudantes na última semana do mês, a pedido da instituição. “Na ocasião, solicitamos que eles apresentassem um documento formal de discussão da questão da ditadura e democracia. Mas, até o momento, essa proposta não foi entregue. Estamos aguardando e, nesse meio tempo, providenciamos a remoção da placa, já que a praça não existe mais”, disse Souza.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Na data da morte de Frei Tito, PUCC retira homenagem à Médici!


No dia 10 de agosto a PUC-Campinas retirou a placa que dava nome à Praça "Emílio Garrastazu Médici". Em nota pública, a Universidade alegou que

"A placa que faz referência ao ex-presidente da república, Emilio Garrastazu Médici, foi retirada do canteiro em que estava instalada, desde março de 1973.
Na época, a área era ocupada por uma praça que foi transformada em estacionamento. A Universidade vem debatendo o assunto em diversas instâncias e optou pela retirada da placa, considerando que há muitos anos a praça não existe mais. Todavia a PUC-Campinas continua – como sempre esteve – aberta ao debate e à reflexão sobre o tema.
A Coordenadoria Geral de Atenção à Comunidade Interna (CACI) vem mantendo contato periódico com os alunos, sobre o assunto, mas, até o momento, não houve encaminhamento oficial de proposta de debate pelo corpo discente".

Lamentavelmente, a PUC-Campinas perdeu uma oportunidade enorme de rever seu posicionamento histórico e motivar a retirada desta homenagem pelas inumeráveis razões de ordem política que a cercam.

Coincidentemente, retirou a placa na exata data da morte de Frei Tito (10/08/1974), marcando os 36 anos de seu falecimento.

No mesmo dia, estudantes se reuniram no local para prestar uma singela homenagem. O local em que ficava a placa estava vazio. As marcas do chão foram cobertas com grama, não havendo qualquer vestígio de que, um dia, houvesse qualquer tipo de construção naquele local.

A simples colocação de uma faixa em homenagem à Frei Tito serviu para atiçar a truculência do setor de segurança da universidade. Com a saida dos estudantes do local, a faixa foi imediatamente retirada. Marca-se, assim, o compromisso com o esquecimento, totalmente contrário à proposta de preservação da memória política.

A saída de Médici é uma vitória parcial. De nada valerá se não se promover a memória e a reparação. Praça Frei Tito Já!

terça-feira, 20 de julho de 2010

Charge do cartunista LATUFF: Praça Médici

Postamos aqui a charge brilhante do cartunista Latuff sobre a Praça Médici da PUC-Campinas.


Informe da Praça Médici protocolado nos Três Poderes da República


Dia 17 de julho estudantes da PUC-Campinas protocolaram no Poder Executivo, na Câmara dos Deputados, no Senado e no Supremo Tribunal Federal um informe do manifesto das entidades pela retirada da Praça Médici da PUC-Campinas.
Ao longo da semana, centenas de assinaturas de apoio ao manifesto também foram coletadas na capital federal. A partir disso, grupos de apoiadores vem se articulando em várias partes do país para divulgar a reivindicação.
A luta pela memória política vem ganhando a força necessária para fazer justiça!

Em Brasília, reitor da UnB apoia o movimento


Dia 12 de julho último o Reitor da Universidade de Brasília, prof. José Geraldo de Souza Júnior, firmou seu apoio ao manifesto pela retirada da Praça Médici da PUC-Campinas. Em suas próprias palavras: Mais que necessário, é urgente!

Que sirva como apelo do verdadeiro espírito universitário para que a PUC-Campinas saia da contramão da história reconhecendo a Praça Frei Tito como resposta para o futuro.

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Nome de praça vira polêmica

Nome de praça vira polêmica
Ana Paula Siqueira, Jornal do Brasil


BRASÍLIA - O Brasil ainda tenta descobrir muitos mistérios sobre fatos ocorridos nos porões da ditadura militar, que dominou o país entre 1964 e 1985. Entretanto, muitas ruas, avenidas e praças ainda levam nomes de pessoas acusadas de crimes de lesa-humanidade, como autoridades que adotaram a tortura como prática. A Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Campinas é um desses lugares. Estudantes da própria PUC e movimentos sociais lutam para trocar o nome da Praça Emílio Garrastazu Médici, construída em 1973, para Frei Tito de Alencar Lima, uma das vítimas dos anos de chumbo.

A iniciativa dos estudantes do Centro Acadêmico XVI de Abril foi abraçada por entidades como o grupo Tortura Nunca Mais, o Núcleo de Preservação da Memória Política e o Fórum de Ex-Presos e Perseguidos Políticos do Estado de São Paulo, entre outros. E se transformou num movimento com direito a petição online. Assinaturas digitais estão sendo colhidas para pressionar a PUC a trocar o nome da praça. Mais de 1.800 pessoas já subscreveram o pedido.

De acordo com a estudante Carolina Bissoto, ligada ao Centro Acadêmico XVI de Abril e aluna da pós-graduação da universidade, a reivindicação é antiga. Entretanto, no dia 5, o manifesto intitulado Praça Emílio Garrastazu Médici Nunca Mais! foi publicado na internet e começou a ganhar mais adeptos.

– Achamos uma injustiça (o atual nome da praça). O correto é homenagear pessoas que lutaram contra a ditadura – defende a estudante.

Tortura Nunca Mais

O vice-presidente do grupo Tortura Nunca Mais, Marcelo Zelic, classifica a denominação da praça como “auto-homenagem” dos militares durante a ditadura. Para ele, é preciso chamar a sociedade para o debate e conhecer a biografia dos homenageados.

– A tortura ainda faz parte do dia a dia das delegacias. Foram criadas formas de aplicar tortura que ainda subsistem, e o risco da banalização é muito grande. – disse Zelic. – O desaparecimento forçado aconteceu com muito mais ênfase no governo Médici.

Ele defende o nome do Frei Tito Alencar Lima para rebatizar o local. O Tortura Nunca Mais luta para que nomes de pessoas que praticaram ou permitiram a tortura sejam retirados de logradouros públicos em todo o país.

Na mesma linha de Zelic, o presidente do Núcleo de Preservação da Memória Política, Ivan Seixas, critica a permanência da homenagem.

– A PUC aceitou essa homenagem macabra, mas os estudantes não foram consultados – argumenta.

PUC

A universidade divulgou nota afirmando que está ciente da mobilização, e que “tem discutido internamente a respeito”. E se defende ao dizer que batizar a praça com o nome de Médici se deveu ao “apoio do Ministério da Educação e Cultura da época para a construção do Campus I” e conclui “que de forma alguma a placa representa ou simboliza que a PUC-Campinas compartilha os atos de repressão praticados no período”.

A estudante Carolina Bissoto, do movimento estudantil, afirma que a universidade não deu nenhum posicionamento aos estudantes. O movimento deverá ser intensificado após as férias de julho.

Cada um

Frei Tito nasceu em Fortaleza (CE). Em 1966, ele entrou no noviciado dos dominicanos, em Minas Gerais. Dois anos mais tarde, foi preso e torturado por cerca de 30 dias após participar de um congresso da União Nacional dos Estudantes (UNE). Em 1969, foi preso novamente e voltou a sofrer torturas. Ele foi deportado para o Chile e depois fugiu para Itália e França. Em 1974, depois de passar por tratamento psiquiátrico, ele foi encontrado morto, pendurado pelo pescoço em uma árvore.

Emílio Garrastazu Médici tomou posse como presidente da República em 1969, e ficou conhecido pelo “milagre econômico”, que no final de seu governo já não andava muito bem. Seu mandato ficou conhecido como o mais obscuro e repressor do militarismo.

São Paulo recentemente trocou o nome de uma rua. A SP-332 foi rebatizada para Professor Zeferino Vaz, antes denominada General Milton Tavares de Souza.


.21:10 - 18/07/2010

terça-feira, 13 de julho de 2010

Deu no Jornal Correio Popular - Campinas/SP

Publicada em 13/7/2010

Grupo quer tirar nome de Médici de praça na PUC

Movimento contra herança da ditadura quer homenagear Frei Tito

Delma Medeiros
DA AGÊNCIA ANHNAGUERA
delma@rac.com.br



Um movimento organizado por entidades da sociedade civil e pelo Centro Acadêmico XVI de Abril, da Faculdade de Direito, busca mudar o nome de uma praça localizada no campus 1 da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC). A mobilização pede que a Praça Emílio Garrastazu Médici seja renomeada para “Frei Tito de Alencar Lima”, uma vítima do regime ditatorial. Frei Tito enlouqueceu e se suicidou devido às torturas das quais foi vítima durante o regime militar. O movimento “Praça Emílio Garrastazu Médici Nunca Mais” já recolheu mais de 1,3 mil assinaturas e criou um blog (http://foramedici.blogspot.com/) para divulgar as informações sobre a iniciativa.


O movimento engrossa as iniciativas de reversão de homenagens a pessoas que participaram direta ou indiretamente de ações de tortura. A rodovia SP-332, que liga Campinas a Conchal, mais conhecida como Tapetão, já mudou de nome. Ao invés de “General Milton Tavares de Souza, passa a chamar-se “Professor Zeferino Vaz”.


“Esta é uma reivindicação antiga, mas as tentativas anteriores não tiveram sucesso. Agora retomamos e desta vez, a repercussão superou nossas expectativas”, disse Filipe Jordão Monteiro, do CA XVI de Abril. Segundo Monteiro, o objetivo é reconhecer os verdadeiros heróis do País e reforçar a democracia. “Trata-de de um movimento de reparação”, disse Marcelo Zelic, integrante do grupo Tortura Nunca Mais. A mobilização começou há cerca de dez dias e pretende envolver estudantes, docentes e sociedade civil na proposta de reverter as homenagens feitas a pessoas que praticaram crime contra os direitos humanos.


“Com a volta às aulas, vamos reforçar as ações e pedir a mudança do nome da praça e retirada da placa”, explicou Monteiro. A mobilização informa que luta “pelo direto à memória, à verdade, à justiça, e à lembrança dos que morreram e desapareceram lutando por um Brasil justo e democrático e pela responsabilização dos torturadores do regime militar”. Eles têm a adesão de parlamentares, intelectuais e ex-presos políticos.


Uma moção nesse sentido foi entregue à reitora da PUC, Angela de Mendonça Engelbrecht, assinada pelo professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Caio Navarro de Toledo. No moção, ele cita que a movimento pede que a “odiosa homenagem” feita ao general Emílio Garrastazu Médici, em pleno regime militar, seja definitivamente cancelada. “Tendo em vista o relevante papel que as universidades católicas brasileiras desempenharam na luta pela redemocratização do Brasil é uma profunda indignidade e uma visível incongruência a homenagem que a PUC de Campinas ainda presta ao militar que foi um dos maiores responsáveis pelo endurecimento das perseguições políticas e pela efetiva implementação do nefasto Ato Institucional 5, que implicou mortes, desaparecimentos forçados e torturas de presos políticos”, afirmou Navarro na moção.


A manifestação, que circula pela internet afirma ser justa a homenagem a Frei Tito, uma vítima da tortura. “Manter a homenagem aos algozes do povo brasileiro significa uma violência permanente. Este reconhecimento por parte da PUC-Campinas cumprirá um papel de reparação e uma oportunidade de remissão desta universidade, sedimentando um compromisso com o futuro e não mais com um passado sangrento”, diz o manifesto.


Em nota oficial, a reitoria da PUC-Campinas informou que está ciente do movimento e discutindo internamente a questão. A nota citou que a placa foi descerrada em março de 1973, dia da inauguração do Campus 1, em função do apoio do Ministério da Educação e Cultura da época para sua construção. “De forma alguma a placa representa ou simboliza que a PUC-Campinas compartilha os atos de repressão praticados no período”, informa.


Participam da mobilização, além do CA XVI de Abril; o Núcleo de Preservação da Memória Política; Fórum de Ex-Presos e Perseguidos Políticos do Estado de São Paulo; Grupo Tortura Nunca Mais de São Paulo; Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe); e Fórum de Direitos Humanos de Campinas.


Rodovia já teve denominação alterada para Zeferino Vaz


Desde o mês passado, a SP-332 passou a se chamar Professor Zeferino Vaz. A Assembleia Legislativa aprovou e o governo sancionou lei de autoria do deputado estadual Milton Flávio (PSDB) que trocou o nome de General Milton Tavares de Souza. Ele afirma que a mudança “vem corrigir a distorção de homenagear pessoas que torturaram ou apoiaram a tortura no Brasil”. “A mudança corrige uma injustiça. A tortura é inaceitável, um crime hediondo e imprescritível. Não tem sentido homenagear, ou manter homenagens a pessoas que sabidamente cometeram crimes contra a humanidade”, disse Flávio. Ele também é autor de um outro projeto, ainda em tramitação na Assembleia, que veda a denominação de prédios, rodovias e repartições pública com nomes de pessoas que tenham praticado ou autorizado atos de tortura. O médico e professor Zeferino Vaz foi o idealizador, fundador e administrador da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). (DM/AAN)

sábado, 10 de julho de 2010

Recordando bons exemplos: Lei retira nome de torturador de rua de São Carlos/SP







Retirada homenagem a torturador de rua de São Carlos e substituida pelo defensor dos Direitos Humanos, Dom Helder Câmara

Uma lei de autoria do presidente da Câmara de São Carlos, Lineu Navarro, foi colocada em prática na última segunda-feira.Estudantes, moradores e várias autoridades, entre elas o Ministro da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República, Paulo de Tarso Vannuchi, acompanharam o descerramento da placa que determinou a mudança do nome de uma das ruas da cidade.

A via deixou de se chamar "Sérgio Fernando Paranhos Fleury", ex-delegado e torturador dos tempos da ditadura, e recebeu o nome de "Dom Helder Câmara". "Nós não conseguíamos entender porque um torturador tão vil como o Fleury ainda ostentava uma homenagem em nossa cidade. Além de ter sido um dejeto humano, pois torturou e matou inúmeros militantes opositores ao regime militar, nunca teve ligação com São Carlos", disse Lineu.
O discurso do ministro seguiu a mesma linha. Antes de descerrar a placa, Vannuchi afirmou que a atitude do vereador serve de exemplo para todos os outros municípios brasileiros que conservam homenagens a torturadores. "São Carlos pode ter certeza que irei divulgar essa ação positiva por todo o país e mais: essa atitude será uma das orientações contidas no próximo programa nacional de direitos humanos, que será assinado pelo presidente Lula em outubro", disse ele.

A troca da placa motivou outras atividades durante o dia. Duas delas foram realizadas na Universidade Federal de São Carlos e contaram com a participação de mais de cem alunos, além de representantes da comunidade. Primeiro houve uma mesa redonda com os professores João Virgilio Tagliavini, Marly de Almeida Gomes Vianna e Caio Navarro de Toledo. Os três falaram sobre "Democracia, Memória e Direitos Humanos no Brasil". Em seguida, o ministro fez uma palestra sobre "Direito à Memória e à Verdade".À noite, a Câmara realizou uma Sessão Solene em homenagem ao centenário do nascimento de Dom Helder Câmara.

Durante o evento, realizado no auditório "Sérgio Mascarenhas", na USP, o presidente do Legislativo destacou o trabalho do religioso em prol dos mais necessitados."Dom Helder, que morreu em 1999 aos 90 anos, era um jovem de espírito. Seu legado será eterno e hoje estamos realmente felizes em saber que seu nome rebatizou uma das ruas de nossa cidade", afirmou Lineu.Durante duas horas, os presentes acompanharam os discursos e assistiram a um vídeo sobre a vida do religioso. Mas a parte final da solenidade foi a que mais chamou a atenção. Lineu Navarro quebrou o protocolo ao anunciar a entrada do ator Tárcio Costa.

Por meio do personagem "Gregó", o ator emocionou a platéia ao narrar a vida de Dom Helder Câmara por meio de uma poesia de cordel. "Pra mim foi uma surpresa grande e também um grande orgulho em fazer essa homenagem. A vida de Dom Helder é realmente uma verdadeira lição de paz e isso muito me inspirou", concluiu o ator.




Fonte: http://sergioscampos.blogspot.com/2009_08_01_archive.html

Vídeo: Tortura Nunca Mais-SP

SP-332 agora é Prof. Zeferino Vaz

Cidades
SP-332 agora é Prof. Zeferino Vaz
Assembleia Legislativa aprovou a retirada do nome General Milton Tavares de Souza da rodovia

Delma Medeiros
DA AGÊNCIA ANHANGUERA
delma@rac.com.br

A Rodovia SP-332, que liga Campinas a Conchal, mudou de nome. Ao invés de General Milton Tavares de Souza, agora é Professor Zeferino Vaz. A mudança faz parte do movimento contra o militarismo e que propõe rediscutir os crimes contra os direitos humanos cometidos no período da ditadura militar. A substituição, aprovada pela Assembleia Legislativa e sancionada pelo governador de São Paulo, Alberto Goldman (PSDB), entrou em vigor no dia 4 de junho, com a publicação no Diário Oficial do Estado (DO) da lei 711/09.

Para o deputado estadual Milton Flávio (PSDB), autor do projeto de lei, a mudança vem corrigir a distorção de homenagear pessoas que torturaram ou apoiaram a tortura no Brasil. “A mudança corrige uma injustiça. A tortura é inaceitável, um crime hediondo e imprescritível. Não tem sentido homenagear ou manter homenagens a pessoas que sabidamente cometeram crimes contra a humanidade”, disse. “A estrada passa próximo à Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), um complexo educacional de extrema importância. Dar à rodovia o nome do homem que foi o grande mentor da criação da universidade é uma forma de homenagear os que lutaram pela construção de um país melhor”, afirmou.

Flávio também é autor de outro projeto, ainda em tramitação na Assembleia, que veda a denominação de prédios, rodovias e repartições públicas com nomes de pessoas que tenham praticado ou autorizado atos de tortura. “Este projeto é anterior ao da rodovia. Mas, como a denominação do general foi definida por decreto, pensei que seria mais fácil conseguir a aprovação”, explicou, citando que se aprovado o outro projeto, além de proibir novas homenagens, vai permitir a revisão das já feitas a torturadores.

“O codinome do general na época era Milton Caveirinha, porque ele pregava a morte dos adversários do regime. Ele tinha um discurso duro e comandou a Central de Informações do Exército num dos períodos mais duros da ditadura”, disse.

Repercussão

“Acho ótima e merecida a homenagem ao professor Zeferino Vaz. Mas, o mais importante é a rodovia ou qualquer prédio público não ter o nome de alguém que não fez nenhum bem para a sociedade. A mudança de nome, por si só, é positiva”, disse a deputada estadual Célia Leão (PSDB).

“O Brasil precisa deixar de ser um país sem memória. Os crimes políticos não podem ser esquecidos”, reforçou Flávio. Segundo ele, não se trata de revanchismo, mas de cultuar heróis da democracia. Flávio lembrou que a estratégia de não homenagear ditadores é mundial. Chile, Espanha e Portugal, por exemplo, não têm mais referências a Pinochet, Franco e Salazar, respectivos ditadores desses países.

Placas

A assessoria de imprensa da Rota das Bandeiras, concessionária que administra a SP-332, informou que assim que saiu a publicação no DO, a empresa mandou confeccionar novas placas para substituir as atuais. Mas não soube informar quantas são, nem quando as placas com a nova denominação estarão instaladas.

A SP-332 tem 77 quilômetros de extensão, e vai de Campinas a Conchal, passando por Paulínia, Artur Nogueira e Cosmópolis, entre outros municípios. Ela foi inaugurada em julho de 1981, mesmo ano da morte do general.

SAIBA MAIS - Quem foi Zeferino Vaz

O médico e professor Zeferino Vaz foi o idealizador, fundador e administrador da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) nas décadas de 60 e 70. Foi ainda criador da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, secretário estadual de Saúde, em 1963, e reitor da Universidade de Brasília (UnB). Foi também o primeiro presidente do Conselho Estadual de Saúde de São Paulo. Após sua aposentadoria, exerceu até sua morte o cargo de presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Unicamp. Zeferino Vaz também morreu em 1981.

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Tapetão abandona sua homenagem à general da Ditadura- um exemplo que fica ao lado da PUC-Campinas


Projeto altera nome da rodovia SP332

A Comissão de Transportes de São Paulo da Assembleia Legislativa de São Paulo aprovou, na última quarta-feira (29/04), durante a 6ª reunião ordinária, projeto de lei 711/2009 que propõe mudar o nome da rodovia SP-332, hoje batizada de General Milton Tavares de Souza, para Professor Zeferino Vaz, criador e primeiro reitor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). A rodovia, sob concessão da Rota das Bandeiras, tem 77 quilômetros de extensão e liga Campinas a cidade de Conchal.

Nos próximos dez dias, os demais deputados estaduais poderão entrar com recurso, se entenderem que, antes de chegar ao governador, o projeto deverá passar pela votação do Plenário. Para tanto, é necessária aprovação de, pelo menos, 20% dos deputados. O “caminho” do projeto faz parte de uma mudança no regimento que dá função terminativa às comissões. Se não houver recurso, o governador Alberto Goldman (PSDB) decidirá se aprova, ou não, o projeto.

A proposta para mudar o nome da SP-332 — que inclui o trecho conhecido como Tapetão,

responsável por ligar Campinas ao distrito de Barão Geraldo — é de autoria de Milton Flávio, que até o mês passado era deputado suplente pelo PSDB. Flávio protocolou o projeto em agosto do ano passado, justificando que a manutenção da homenagem ao general é contra o momento do País, que rediscute crimes contra os direitos humanos praticados durante a ditadura militar.

Morto em 1981, quando a rodovia recebeu seu nome, o General Milton Tavares de Souza foi um ex-combatente da Força Expedicionária Brasileira na 2ª Guerra Mundial (1939-1945). Também foi comandante do Centro de Informações do Exército durante a ditadura militar e é conhecido como um dos mais ferrenhos anticomunistas do regime de exceção.

“Dar a estrada o nome do grande mentor que foi o professor Zeferino Vaz é mostrar para os paulistas que merece ser homenageado quem realmente lutou para construir o futuro”, argumenta.

Nascido em 1908, Zeferino Vaz foi o idealizador, fundador e administrador da Unicamp em seus primeiros 12 anos, entre 1966 e 1978. Médico parasitologista, criou a Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo (USP) e foi reitor da Universidade de Brasília (UnB). Zeferino Vaz morreu em 1981.


Deputados apoiam manifesto pela retirada da "Praça Médici" da PUC-Campinas

O Deputado Federal Paulo Teixeira (PT-SP) e o Deputado Estadual Raul Marcelo (PSOL -SP) manifestaram apoio ao Manifesto lançado pelas entidades.

Em seu site, o Dep. Paulo Teixeira manifesta: "Não podemos premiar a memória daqueles que nem tomaram conhecimento dos Direitos Humanos".

O deputado Raul Marcelo, que é autor do projeto de lei 395/2010 – que proíbe denominar vias, rodovias ou prédios públicos com nomes de pessoas que tenham praticado ou sido historicamente consideradas como participantes de atos de lesa-humanidade, tortura ou violação de direitos humanos – também apoia a reivindicação. Em sua página reforça que "Dentro do estado democrático de direito não há espaço para homenagens que reverenciem a memória de torturadores e violadores de direitos humanos".

____________________________________________________________________

Manifeste voce também seu apoio assinando a petição http://www.petitiononline.com/medici1/petition.html ou enviando moções à Reitoria da Universidade através do e-mail reitoria@puc-campinas.edu.br (com cópia para foramedici@gmail.com).

Prof. Caio Navarro de Toledo entrega moção à Reitoria da PUC-Campinas


À
Magnífica Reitora reitoria@puc-campinas.edu.br
Prof. Dra. Angela de Mendonça Engelbrecht
Pontifícia Universidade de Campinas
Campinas, SP


Como deve ser de seu conhecimento, uma meritória iniciativa “Pelo Direito à Memória, à Verdade e à Justiça” – envolvendo diretamente a Pontifícia Universidade Católica de Campinas – acha-se em curso nos meios acadêmicos e políticos comprometidos com o aprofundamento da democracia política no Brasil.

Por meio desta iniciativa, várias entidades da sociedade civil brasileira solicitam que a “odiosa homenagem” feita pela PUC de Campinas ao general Emilio Garrastazu Médici, em pleno regime militar (15/3/1973), seja definitivamente cancelada.

Tendo em vista o relevante papel que as Universidades católicas brasileiras (com destaque especial à PUC de Campinas e a PUC-SP) desempenharam na luta pela redemocratização do Brasil é uma profunda indignidade e uma visível incongruência a homenagem que a PUC de Campinas ainda presta ao militar que foi um dos maiores responsáveis “pelo endurecimento das perseguições políticas e pela efetiva implementação do nefasto Ato Institucional 5" que implicou mortes, desaparecimentos forçados e torturas de presos políticos.

Concordando integralmente com o documento que o Centro Acadêmico XVI de Abril, do Núcleo de Preservação da Memória Política, do Fórum de Ex-Presos e Perseguidos Políticos do estado de São Paulo, do Grupo Tortura Nunca Mais de São Paulo, do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CONDEPE) e do Fórum de Direitos Humanos de Campinas (cf. abaixo) fazem hoje circular pela internet, APELO à essa Reitoria - comprometida com os valores da verdade, da justiça e da democracia - para que atenda as justas reivindicações das entidades acima signatárias.



Respeitosamente,

Caio Navarro de Toledo

Universidade Estadual de Campinas



Campinas, 5 de julho de 2010






Folha de SP teria enviado flores a missa de torturador

Na última quarta-feira, 6, os órfãos da ditadura, comovidos, patrocinaram Missa de Réquiem em memória do “Doutor Barreto”, o carniceiro que, na vida civil, atendia por Sérgio Paranhos Fleury, delegado da polícia paulista e proficiente colaborador da OBAN – Operação Bandeirante. A solenidade ocorreu nas dependências da Igreja N. Sra. de Fátima, no bairro do Sumaré, zona oeste paulistana.

Entre as coroas florais que ali abundavam, chamava a atenção um arranjo de crisântemos, gérberas e copos-de-leite com um bilhetinho manuscrito* :

“Tio, você continua vivo em meu coração, e farei o que for possível para reabilitar a grandeza de sua biografia. Que saudade daqueles passeios que a gente fazia nas peruas C14 de papai…Ass: O.F.F”. . *

A autenticidade do documento não pode ser assegurada – bem como não pode ser descartada.

=================

PS1: OFF, para quem não conhece, é Octavio Frias Filho, Diretor de Redação da Folha de São Paulo.

FONTE: http://brasiliamaranhao.wordpress.com/2009/05/11/folha-envia-flores-a-missa-de-torturador/

UMA MISSA PARA O TORTURADOR




Celebração dos 30 anos da morte do delegado Sérgio Fleury, torturador da ditadura civil-militar, reúne cerca de70 pessoas em São Paulo. Em entrevista sacerdote explica homenagem a militar

08/05/2009
Lúcia Rodrigues e Tatiana Merlino,

Da Revista Caros Amigos

Uma coroa de flores com o formato e as cores da bandeira nacional enfeita o altar da igreja Nossa Senhora de Fátima, no bairro do Sumaré, capital paulista. Penduradas nela, pequenas faixas com os dizeres, "ordem e progresso" e "herói nacional". Ao centro, a foto do delegado Sérgio Paranhos Fleury, um dos maiores torturadores da ditadura civil-militar (1964-1985), morto há 30 anos.

Cerca de 70 pessoas, entre parentes, amigos, delegados aposentados, representantes da TFP (Tradição, Família e Propriedade) e agentes do serviço reservado da polícia celebraram na noite de quarta-feira (6), o aniversário de três décadas de falecimento de Fleury. Entre eles, estava o delegado aposentado Carlos Alberto Augusto, conhecido como Carlinhos Metralha. Augusto, torturador temido nos porões do regime, integrou a equipe de Fleury e convocou a missa pela internet: "familiares, amigos, ex-policiais do DOPS e informantes contam com sua presença à missa".

Um dos policiais do serviço reservado trajava calça jeans, jaqueta e boné, lembrava o Lula sindicalista do ABC, com sua barba grande. Não fosse pelos abraços calorosos que distribuía entre os presentes, poderia imaginar tratar-se de um militante da esquerda que sofreu na pele as agruras da ditadura. Ciro Moura, ex-candidato a prefeito, nas últimas eleições, pelo PTC (Partido Trabalhista Cristão), que herdou o número da legenda de Collor, foi o único político a comparecer à cerimônia.Antes do início da celebração, do lado de fora da igreja, velhos amigos conversavam animadamente, enquanto era distribuído um panfleto com a foto do homenageado e os seguintes dizeres: "Sua morte deixou em nós uma lacuna impreenchível. Só o tempo poderá atenuar a sua perda irreparável para a sociedade brasileira. Dr. Fleury ficará na memória de todos, a sua inesquecível figura que tanto bem semeou. À sua passagem, sempre cumprindo ordens superiores e defendendo a sociedade".


Entre os carros luxuosos que entravam ao estacionamento, havia adesivos colados. Em um se lia referência ao General Heleno, comandante militar da Amazônia. Outros adesivos faziam alusões à defesa do porte de armas.A igreja Nossa Senhora de Fátima está próxima da sede da Opus Dei, localizada na avenida Alfonso Bovero, e do Centro de Estudos Universitários do Sumaré, mantido pela instituição.

Os presentes à missa do “herói nacional”, a maioria homens, vestiam terno e tinham cabelos brancos. Alguns mais novos, de terno e gravata, usavam broches com a bandeira do Brasil. As poucas mulheres, de cabelos tingidos de loiro ou ruivo, maquiagem pesada, salto alto, meia calça, terninho.A missa foi celebrada por Frei Yves Terral, que, durante a homília, afirmou que "Fleury teve, há 30 anos, uma feliz ressurreição" e que "estamos reunidos hoje para lembrar sua memória, e não deixar a história morrer".

Durante a cerimônia, que teve início às 19 horas e durou 28 minutos e 45 segundos, o religioso disse frases como: "nós amamos Fleury", "Deus ama Fleury" e "Estamos reunidos para lembrar o ideal do jovem Fleury, lembrar que ele tinha um ideal". Na hora do Pai Nosso, Frei Yves pediu aos presentes que orassem "em nome de Jesus e Fleury".Yves Terral é um franciscano, da ordem co-irmã a dos freis dominicanos, Tito, Fernando e Ivo barbaramente torturados pelo delegado Fleury.

O religioso, que em entrevista disse ser amigo de policiais militares, também celebrou a missa de sétimo dia do coronel da PM Ubiratan Guimarães, assasinado em setembro de 2006. Ubiratan foi o responsável pela invasão da PM paulista ao Complexo Penitenciário do Carandiru, em 1992, que resultou na morte de 111 presos.

O delegado Sérgio Fernando Paranhos Fleury morreu em 1º de maio de 1979, na Ilhabela, litoral norte paulista, de forma misteriosa. Pouco depois de comprar um iate, supostamente caiu no mar e se afogou ao saltar de uma embarcação para a sua. As autoridades policiais da época mandaram que seu corpo fosse enterrado sem ser submetido a necropsia. Fleury estava à frente do Dops (Departamento de Ordem Política e Social), um dos mais temidos órgãos da repressão, e era o responsável por assassinatos e torturas que ocorriam no local.O delegado ganhou "notoriedade" quando chefiou o Esquadrão da Morte, milícia clandestina formada por policiais que coalhava de corpos de supostos bandidos os terrenos baldios da periferia de São Paulo e do Rio de Janeiro.

Fleury liderou, ainda, o fuzilamento do guerrilheiro da Ação Libertadora Nacional (ALN), Carlos Marighella, na Alameda Casa Branca, em São Paulo, em 1969. Ao final da missa, a reportagem conversou com Frei Yves. Confira abaixo:

Lúcia Rodrigues - O senhor considera o Fleury um herói nacional?Frei Yves Terral - Eu não considero, não. Não vem ao caso isso. Eu sou ministro da eucaristia. Na minha mesa todo mundo, até a direita, pode participar. E o Fleury era um desses casos. Não há o que impeça ele de poder participar de uma eucaristia. Eu estava em Mato Grosso, na época do Fleury.

Tatiana Merlino - O senhor conheceu o delegado Fleury?
Frei Ives Terral - Não, não. Eu estava na faixa de fronteira. Não conheci nem pelos jornais. Os jornais nem chegavam lá. Quando chegavam, era com atraso e era sinalde que não tinha notícia importante no Brasil. Porque quando tinha notícia importante não sobrava para nós. Agora eu acho bonito que celebrem a memória. Herói é uma palavra carregada de poder.
Lúcia Rodrigues - É porque na coroa de flores que estava perto do altar [coroa em formato da bandeira do Brasil, com a foto de Fleury ao centro, em que se lia em uma tarja: herói nacional]...Frei Yves Terral - Sim, no altar. Era do pessoal que veio. Era dos parentes, da família. Era, seguramente, muito bonita a coroa.

Lúcia Rodrigues - E por que eles escolheram esta paróquia para realizar a missa? Frei Yves Terral - Diante de muitas possibilidades... Não acho nada de mais.

Tatiana Merlino - Achei que a família frequentasse a paróquia. Frei Yves Terral - Se frequenta...

Lúcia Rodrigues - O senhor não conhece?Frei Yves Terral - Não conheço. Eu tenho amigos. Fui chamado para pôr uma imagem de nossa senhora, faz muito tempo, na Polícia Militar, no comando. Encontrei uma turma de jovens oficiais, com formação francesa, cheios de ideal, que realmente me trouxeram admiração. Admiração abre caminho para amizade. Então, eu tenho alguns amigos militares. Talvez entre eles tenham falado: lá tem o frei Yves para rezar por nós. Se amanhã vier a família do Meneguelli [provavelmente se refere a Carlos Marighella] pedir para rezar uma missa aqui, eu vou rezar e vou fazer o que Jesus faz. Se colocar compassivo, do ponto de vista daquela pessoa, daquela família, daqueles amigos.

Tatiana Merlino - Durante a celebração, o senhor disse que o Fleury tinha um ideal.Frei Yves Terral - Tenho certeza. Sem o conhecer, eu tenho quase absoluta certeza. Todos os oficiais têm um ideal. Pela profissão, tem sempre um risco de vida maior. No início de sua profissão, da vocação, há um ideal. Depois, algumas vezes, diante da realidade, pode ter coisas belíssimas e coisas que alguns podem discordar. MasDeus não criou gente ruim.

Lúcia Rodrigues - O senhor acha que ele é uma figura polêmica?Frei Yves Terral - Está na história. Está na história. Só que é uma história que não é contada, por enquanto. O outro lado foi muito bem contado. Porque estão no poder. São sempre os vencedores que contam a história.

Lúcia Rodrigues - Quem são os vencedores?Frei Yves Terral - Os vencedores que estão no governo atualmente. No PT. Essa história daquele lado está sendo contada. O outro não está e Deus queira que não seja contada tão cedo.

Tatiana Merlino - Deus queira que não seja contada, por quê?Frei Yves Terral - Porque não está na hora de recomeçar o que foi feito, me parece. Porque estamos numa democracia. Que tem que ser corrigida. Vocês da imprensa sabem muito bem. Vocês embaralham até o Lula.

Lúcia Rodrigues - O Fleury não era um torturador? O senhor rezou durante a missa em nome do Fleury e não pelo Fleury. Eu não sou católica, mas em geral se reza pela alma da pessoa e não em nome da pessoa.Frei Yves Terral - Não podem me culpar por ter rezado pelo Fleury.

Lúcia Rodrigues - O senhor rezou em nome do Fleury.Frei Yves - Eu pedi para que a turma que estava meio fria, se manifestasse. Foi uma forma de fazê-los participar. A turma que estava lá, era um pessoal mais reservado. Não era nenhum carnaval, nenhuma vitória do Corinthians. Então, era uma forma deles participarem, era emprestar palavras ao Fleury. Para se manifestarem um pouco. Uma missa não pode ser só o presidente.

Lúcia Rodrigues - O senhor acha que isso ajudou a celebração?Frei Yves Terral - Ajudou eles a participarem. Senão, não teriam participado. Alguns não teriam participado de nada.

Lúcia Rodrigues - Por quê?Frei Yves Terral - Não sei. Porque não estão acostumados a participar de uma missa. Por diversos motivos. Tem gente que vai numa missa de sétimo-dia e não fala nada, só segura lágrimas. No Brasil, há tantos tipos de culturas. Graças a Deus. Tem de se conviver. Pode-se rezar uma missa para defuntos de um jeito ou de outro.

Lúcia Rodrigues - Eu entendo a posição do senhor. O senhor é padre e reza por bandidos. O Fleury era um torturador, que assassinou várias pessoas. E o senhor ainda reza em nome dele?

Frei Yves - Espera aí, Espera aí. Eu vivi em Mato Grosso. E tinham umas pessoas que a igreja não mandava abençoar quando morriam. Todas morreram de morte violenta. Eu abençoei todos aqueles que me foram apresentados. Você estava lá?

Lúcia Rodrigues - Onde?Frei Yves - Quando ele morreu?
Lúcia Rodrigues - Não. Eu era criança.Frei Yves - Mas Deus estava. Não podemos saber o que aconteceu. Não podemos fazer mau juízo do próximo. Agora, posição política eu não tenho. Eu não sou nem brasileiro.

Tatiana Merlino - O senhor disse que ele tinha um ideal.Frei Yves - Tinha um ideal.
Tatiana Merlino - Torturando os opositores?Frei Yves - Isso não foi quando ele era jovem. Foi depois. Deus o criou bom.

Lúcia Rodrigues - Mas dentro de uma igreja, ter uma bandeira nacional com a foto dele, escrito herói nacional... Um torturador não é um herói.Frei Yves - O mandamento é honrar pai e mãe. É isso que quer dizer a bandeira brasileira. Foi uma honra.

Lúcia Rodrigues - Há quanto tempo o senhor está no Brasil?Frei Yves - 43 anos.

Tatiana Merlino - E em São Paulo?Frei Yves - Há 30.

Lúcia Rodrigues - Então o senhor estava aqui quando o Fleury morreu.Frei Yves - Pode até ser. Mas como teve essa mudança de Mato Grosso para cá, naquela época... Não posso dizer se ele morreu quando eu estava em Mato Grosso ou aqui.

Tatiana Merlino - É claro que para a igreja todos são filhos de Deus. Mas o senhor celebrou a missa com uma simpatia muito especial pelo delegado Fleury.Frei Yves - O meu Deus é compassivo. O meu Deus é compassivo. Ele se põe do ponto de vista da pessoa. A senhora procure se por do ponto de vista de Jesus.

Tatiana Merlino - O senhor sabia que o delegado Fleury era um torturador?Frei Yves - Eu sabia que era um homem político, que contestava. Que teve uma história não apenas de um simples delegado, mas de uma dimensão política mais forte.

Tatiana Merlino - Que era um torturador?Frei Yves - Sei lá se era torturador.

Lúcia Rodrigues - O senhor não sabia que ele era um torturador?Frei Yves - Escuta aqui. No Araguaia, por exemplo. O soldado que foi mandado para lá, para restabelecer a ordem. Se matou alguém, ele era um torturador?
Lúcia Rodrigues - O delegado Fleury é um torturador. Existem pessoas que foram torturadas por ele e outras que viram companheiros sendo assassinados no pau-de-arara, inclusive.Frei Yves - Então precisa de mais reza ainda. Precisa mais de reza do que outros.
Lúcia Rodrigues - Mas o senhor sabia que ele era um torturador?Frei Yves - Eu sabia o que todo mundo sabe. Agora se vocês falam que ele era um torturador... Eu não sei. Eu não lembro, eu estava no Mato Grosso.

Lúcia Rodrigues - A morte dele saiu na TV.Frei Yves - Mas você pensa que em Mato Grosso tinha TV?
Lúcia Rodrigues - Mas o senhor já estava em São Paulo.Frei Yves - Eu sou muito amigo do Dom Paulo [Evaristo Arns]. Li todos os livros dele.

Lúcia Rodrigues - O Dom Paulo diz que ele é um torturador.Tatiana Merlino - Então o senhor leu o Brasil Nunca Mais?Yves Terral - Mas isso não tira o direito dele ter uma missa. Não pode ser negado esse direito.

Lúcia Rodrigues - O que nós estamos dizendo é da sua simpatia e da forma que foi colocado. O que surpreendeu foi o senhor ter rezado não por ele, mas em nome dele.Yves Terral - Eu faço isso em todas as missas. Praticamente faço isso em todas as missas

.(fonte: Revista Caros Amigos)

Projeto do dep. Raul Marcelo - PSOL - pede retirada de nome de torturadores




Publicado em Na mídia 6/05/2010


Rede Brasil Atual – João Peres


Deputado que apresentou proposta à Assembleia Legislativa espera forçar estado a trocar em doze meses todos os nomes de militares que participaram da ditadura no país
A Assembleia Legislativa de São Paulo recebeu o projeto de lei que visa a tirar de rodovias, escolas, viadutos e outros patrimônios públicos estaduais os nomes de envolvidos em crimes de direitos humanos, em especial da última ditadura militar (1964-1985).


Se aprovado o texto, de autoria do deputado Raul Marcelo (PSOL), o governo paulista seria forçado a promover a troca de nomes em até 12 meses. Uma equipe parlamentar trabalha para fazer um levantamento de quantos “rebatismos” seriam necessários.


Paralelamente, a intenção é apresentar em separado projetos que alterem, caso a caso, os nomes de bens do patrimônio público que contenham homenagens a violadores de direitos humanos. O primeiro caso é da rodovia Castello Branco. Raul Marcelo entende que a estrada deveria voltar a ter seu antigo nome, rodovia do Oeste, referência à região do estado conectada pela via. A alteração para Castelo Branco foi feita pelo governador nomeado André Sodré em 1967.


Para evitar conflitos de competência e uma eventual declaração de nulidade, o projeto 395 de 2010 não mexe com os nomes de ruas, pontes e prédios municipais. “Acho que vai influenciar muito as câmaras municipais para que façam mudanças. Tem muita rua ‘31 de março’, uma alusão ao golpe”, afirma.


O deputado entende que o projeto terá como benefício trazer também a discussão à sociedade. Muitas pessoas passam diariamente ou mesmo vivem em ruas batizadas com nomes de violadores de direitos humanos, mas não se dão conta ou desconhecem o ocorrido.


No ano passado, a cidade de São Carlos, no interior paulista, aprovou uma mudança depois de ampla discussão. A rua que levava o nome do delegado Sérgio Fernando Paranhos Fleury passou a ser chamada de Dom Hélder Câmara. Enquanto o primeiro teve envolvimento com prisões arbitrárias e é apontado como responsável por violações de direitos humanos, o religioso denunciou os crimes cometidos pelos militares.


Em abril, a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara aprovou um projeto que dá o nome do General Adalberto Pereira dos Santos a uma rodovia no Rio Grande do Sul. Ele foi vice-presidente da República durante o governo de Ernesto Geisel (1974-1979). A homenagem foi proposta pelo deputado federal Luiz Carlos Heinze (PP-RS) e depende apenas de aval do Senado para virar realidade.


Raul Marcelo lembra que não se trata de caso isolado e que sempre há quem queira homenagear envolvidos no regime militar. “O mesmo zelo que um pai e uma mãe têm na hora de dar o nome do filho nós, sociedade, precisamos ter na hora de dar o nome a uma escola, uma rodovia. Como pode uma das principais rodovias do estado levar o nome do homem que confabulou um golpe que vitimou, torturou?”, indaga o deputado.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Entidades lançam manifesto: Praça "Médici" Nunca Mais!


PRAÇA "EMÍLIO GARRASTAZU MÉDICI" NUNCA MAIS!

Em 1964 ocorreu no Brasil um golpe militar que instarou a mais longa ditadura que já vivenciamos. Foram vinte e um anos de repressão. Muitas pessoas foram presas e barbaramente torturadas; peças de teatro, jornais, revistas e livros foram censurados; órgãos como a UNE (União Nacional de Estudantes) postos na ilegalidade; os partidos políticos foram fechados, sendo permitida a existência somente de dois partidos; opositores foram exilados; civis julgados em tribunais militares; e até hoje temos desaparecidos políticos no Brasil: pessoas que foram presas, torturadas e desapareceram, não sendo esclarecido à família e à sociedade as circunstâncias desses desaparecimentos.

Para que possamos superar todos estes fatos faz-se necessário implementar os mecanismos da chamada Justiça de Transição. Estes mecanismos devem ser utilizados em países que passaram por regimes ditatoriais ou totalitários para que a democracia possa ser reconstruída. Há três preceitos básicos a serem implementados: verdade, justiça e reparação. A verdade, se relaciona com a abertura dos arquivos públicos, com a construção de monumentos e memoriais em homenagem às vítimas da ditadura. A justiça, com a punição dos culpados, sejam torturadores, mandantes ou financiadores. A reparação, se refere não somente a uma reparação econômica, mas também moral e política, ou seja, o amplo esclarecimento dos fatos.

A universidade, como espaço de livre pensamento, sempre foi um foco de construção democrática e de fomento de uma nova realidade, pautada na liberdade e na justiça. Através da ação de diversos de seus atores – e nem sempre institucionalmente - tem cumprido ao longo da história um importante papel na defesa das liberdades civis e dos Direitos Humanos, em sua resistência contra a opressão e à violência.

Dentro disso, é absurdo constatar que uma praça no principal campus da Pontifícia Universidade Católica de Campinas eternize a memória do general Emilio Garrastazu Medici, o general dos anos de chumbo da ditadura militar, responsável pelo endurecimento das perseguições políticas e pela efetiva implementação do nefasto Ato Institucional n°5 (AI 5), responsável por mortes, desaparecimentos forçados e torturas de presos políticos.

Curioso, ainda, que tal homenagem se refere à constante preocupação do ditador com “a educação e cultura do povo brasileiro”, apesar das prisões e exílios de intelectuais, da censura à músicas, peças teatrais e à imprensa e, especialmente, pelo ceifeamento do salutar debate acadêmico, então vigiado e sob forte controle dos agentes da repressão. Em tais termos, a cumplicidade desta universidade com o regime foi, além de imoral, escandalosa, cuja reparação é medida de rigor.

Para tanto, não basta a simples exclusão desta odiosa homenagem. Isso significa esquecimento, e o que necessitamos é de memória. Memória àqueles que lutaram e resistiram contra a ditadura, a fim de que esta não mais se repita.

Assim, dentro dos preceitos da Justiça de Transição, e em reconhecimento à resistência de diversos integrantes da Igreja que esta universidade representa, entendemos ser de plena justiça a homenagem à Frei Tito de Alencar Lima, histórico lutador e consequente vítima do regime ditatorial, cujas torturas o levaram ao suicídio.

Manter a homenagem aos algozes do povo brasileiro significa uma violência permanente. Este reconhecimento por parte da PUC-Campinas cumprirá um papel de reparação e uma oportunidade de remissão desta universidade, sedimentando um compromisso com o futuro e não mais com um passado sangrento.

PELO DIREITO A MEMÓRIA, À VERDADE E À JUSTIÇA.
PELO RESPEITO À MEMÓRIA DOS QUE MORRERAM E DESAPARECERAM LUTANDO POR UM BRASIL JUSTO E DEMOCRÁTICO.
PELA REPONSABILIZAÇÃO DOS TORTURADORES DO REGIME MILITAR.

As entidades que subcrevem este manifesto, junto com a solidariedade das demais entidades civis, pessoas físicas e jurídicas que o apoiam, exigem que a PUC-Campinas remova a homenagem à Ditadura Militar em sua praça “Emilio Garrastazu Médici”, ostentando no local a “PRAÇA FREI TITO DE ALENCAR LIMA (1945 – 1974)” em memória dos que lutaram e que ainda aguardam justiça.



Campinas, 05 de julho de 2010


Centro Acadêmico XVI de Abril
Núcleo de Preservação da Memória Política
Fórum de Ex-Presos e Perseguidos Políticos do Estado de São Paulo
Grupo Tortura Nunca Mais de São Paulo
Comissão dos Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos
Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CONDEPE)
Fórum de Direitos Humanos de Campinas